Por que é importante medir o bem-estar dos funcionários?

Aperitivos ou frutas frescas no escritório, uma sala de relaxamento onde pode-se desconectar de vez em quando ou descontos para ir à academia, são iniciativas que mostram o esforço das organizações em ter empatia com seus funcionários, mas que, em nenhum caso, melhoram o bem-estar dos trabalhadores.

As empresas devem realizar uma auditoria para garantir que seus funcionários estão felizes todos os anos para ter clareza sobre o que estaria causando possíveis estresses em sua equipa e implementar as medidas necessárias, primeiro para resolvê-lo e, segundo, para evitá-lo.

Como gestionar el talento

Como gerenciar talentos

Os problemas de estresse relacionados ao trabalho aumentaram significativamente nos últimos anos devido, em grande parte, à maneira como entendemos funcionários e empregadores no ambiente de trabalho. Hoje, enfrentamos uma cultura de trabalho em que os tempos são justos, a pressão é sempre alta e as horas de trabalho são infinitas.

Segundo a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, o estresse no trabalho é o segundo problema de saúde mais comum relacionado à vida profissional, na Europa. De fato, entre 50% e 60% dos dias perdidos são atribuídos a essa causa. Um estresse gerado, principalmente, por questões relacionadas à reorganização, instabilidade e/ou precariedade do trabalho, carga excessiva de funções, falta de apoio ou, simplesmente, pela incapacidade de “desconectar” no tempo livre.

O medo de perder o trabalho leva as pessoas a terem comportamentos não saudáveis como ir trabalhar mesmo quando estão doentes por medo de que a ausência seja vista como falta de comprometimento, aumentando o risco de não serem consideradas nos planos de crescimento ou, pior ainda, serem candidatas à demissão.

Por outro lado, a incompreensão do gerenciamento de liderança também está diretamente relacionada a esses números alarmantes. De fato, os gerentes que não possuem habilidades sociais ou capacidade de organizar o trabalho e gerenciar com eficiência suas equipas, também têm um impacto importante na motivação, comprometimento e bem-estar dos funcionários.

Esses gerentes, geralmente reconhecidos por suas habilidades e conhecimentos técnicos e não muito por suas habilidades sociais, devem levar em consideração o custo – em termos econômicos, mas também de prestígio e reputação – que os problemas de estresse têm para as organizações de trabalho.

De fato, foi demonstrado que existe uma estreita relação entre o bem-estar dos funcionários e a retenção de talentos, pois cada vez mais as pessoas priorizam essas questões em detrimento de outras. E, é claro, não há necessidade de explicar a importância de ter colaboradores treinados e destacados que não abandonam o navio em favor de outro mais “tranquilo”.

Por isso, é sempre bom estar atento ao rendimento dos funcionários e equipas, detalhe que pode ser acompanhado através de um software de gestão de RH.

Então, o que acha que uma empresa pode fazer para lidar com o estresse no trabalho? Obviamente, usar uma ferramenta de diagnóstico confiável para medir e rastrear o que realmente está acontecendo é o ponto de partida. A partir daí, com os dados necessários e informações sobre qualidade e soluções, a organização poderá identificar pontos fracos e projetar intervenções personalizadas em três níveis principais:

Primário

Pesquise as causas do estresse por meio de um software de gestão de RH que permita aos líderes conhecer melhor as habilidades necessárias para desempenhar suas funções, prestando atenção especial à maneira pela qual a empresa pode ajudar seus funcionários a planejar melhor sua força de trabalho e, acima de tudo, reduzir o estresse, encontrando um melhor equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal de cada funcionário.

Secundário

Depois de as pessoas receberem o treinamento apropriado, precisarão ter as ferramentas apropriadas para reduzir ou lidar com o estresse relacionado ao trabalho: iniciativas como treinamento de resiliência, cursos que ensinam gerenciamento de ansiedade, análises regulares dos resultados de iniciativas lançadas ou investimentos em projetos de desenvolvimento pessoal e estilo de vida saudável podem ser alguns exemplos a serem considerados.

Terciário

É importante aprender a reconhecer os sinais de estresse antes mesmo que surjam problemas e possa ser possível intervir na questão para melhorar a situação, por meio de Programas de Assistência ao Empregado. Treine e pratique a observação e crie um ambiente aberto, onde todos se sintam livres para expressar seu desconforto, sem medo de serem julgados.

Pode parecer um investimento pouco importante, mas os retornos positivos serão ainda maiores. As grandes organizações já entenderam. De fato, nelas, questões relacionadas ao bem-estar do trabalho ocupam um lugar de destaque na agenda dos gerentes e, cada vez mais, são consideradas um “must have” do que um “nice to have”. As PME são as que mais preocupam a esse respeito, pois ainda têm um caminho importante a percorrer.

Nesse tipo de organização, é comum descobrir que aqueles que devem ser responsáveis ​​pelo desenvolvimento de pessoas estão muito ocupados gerenciando aspectos administrativos relacionados às pessoas e acham difícil encontrar tempo para se concentrar em outros aspectos. Por outro lado, é importante entender que, a priori, pode parecer um investimento de tempo e recursos, quase “completamente perdido”, mas a verdade é que, a longo prazo, será uma opção vencedora para a competitividade dos negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Não fazemos mau uso dos seus dados pessoais. Leia a nossa Declaração de Privacidade para mais informação.